sábado, 21 de agosto de 2010

Um quase talvez.



Sabe - eu as vezes, sinto a sua falta.
Quando eu não tenho com quem falar, as 7hrs da manhã, quando vejo "casais felizes" se beijando no metrô, sinto sua falta principalmente quando estou sentindo falta dos meus avós, porque lembro o quão bem você me aliviava de tudo. Eu conheço novas pessoas, mas na outra semana já nem me lembro mas o nome delas. Meu celular toca, a quase toda hora, mas eu olho e vejo que nem um desses filhos-da-puta apaixonados por mim, é você.
Quase não te amo mais, quase não falo mais de você, quase não percebo a sua ausência repentina, quase não lembro dos nossos planos e promessas quebradas, e o porque de tudo isso, quando eu sei que no fundo - você se importa - porquê é comigo que passa todas aquelas tardes quaisquer, quando não tem nada para fazer, além de me fazer sentir idiota. Eu quase não lembro do seu sorriso e da forma como me seduzia. É, eu quase ja te esqueci - e só o meu travesseiro sabe que quase tudo isso é verdade. Não que você não me machuque mais, não que eu não me lembre do que um dia significou a palavra "nós", mas, é como se todo o "nós" que vivemos, jamais estivesse existido, perante ao que sinto hoje, ao que vejo que restou hoje.
E é nesses "quases", "porquês" e "talvez" que uma parte de mim ainda morre todos os dias, porque eu talvez,
ainda te ame - ainda.

2 comentários:

Stivie Sena disse...

ja desisti de tentar entender o amor..

Bibiana Centeno Vieira disse...

é, amor é algo complicado pry ^^ eu ando nessas de tentar esquecer o inesquecível... mas a única solução é jogar! amor é um jogo, infelizmente ^^ sempre que um dos dois mostra desinteresse, o outro parece que fica mais na tua! :S é complicado, tem q dar tempo, né? ou pro amor acontecer, ou pra outra pessoa te encantar.